domingo, 24 de março de 2013

As Bibliotecas Escolares

"Porque a Biblioteca  faz leitores críticos, estimula a curiosidade, a imaginação e a partilha... ela é o lugar mais fantástico do mundo!"

A RBE tem sido uma das "formas estruturantes" de com as bibliotecas e as escolas desenvolver caminhos de envolver a leitura e a informação nos alunos. Num ano de incertezas este paradigma que a RBE deu consistência a uma nova forma de escola e de aprendizagem tem recebido alguns retrocessos. Desejamos que o seu papel como condutora de processos e de caminhos diferenciados possa continuar a crescer.

Nas notícias insistentes de incapacidade de postular a educação como um espaço de crescimento humano, teremos ainda possibilidade de caminhar dignamente, decentente para construirmos uma cidadania que se sabe expressar e fundamentar no que sabemos ser? Poderemos ainda construir em conjunto, um caminho de possibilidades, ou ficaremos reduzidos a acções vazias e sem assombro pelos dias?

Terá ainda a escola portuguesa espaço e oportunidade para alguma imaginação, para alguma ideia nova, um sentido de aprendizagem dinâmico que conjugue memória e transformação? Desejemos e lutemos para que a Biblioteca Escolar possa continuar a ser a respiração construída pelo pensamento humano na ideia grandiosa de Borges "como um espaço de tranquilidade e de redenção das nossas pobres qualidades humanas". (1)

(1) Jacques Bonnet, Bibliotecas cheias de fantasmas  

quinta-feira, 21 de março de 2013

A inspiração ... como caminho

"As bibliotecas são como os jardins. Para ter sombra temos que esperar que as árvores cresçam. Ou então colocámos umas árvores já feitas que ficam muito bonitas mas que morrem a seguir. A poetisa brasileira, Adélia Prado, diz: "não quero a faca, nem queijo. Quero a fome". Mais importante que ter lá os livros é ter fome deles". (1)


As Bibliotecas Escolares em Portugal vivem do trabalho, da dedicação, da imaginação de muitas pessoas, de muitas vontades, de todos os que compreendem que realmente a BIblioteca é o melhor lugar do mundo, porque diferentes pessoas têm a possibilidade de serem construtoras de cidadania consigo e com os outros. As bibliotecas são pois guardiãs dessa beleza de tentar ser o sonho de reconstruir quotidianos novos com as divindades do passado e com o olhar do presente.

Neste caminho fascinante e nunca terminado, com enquadramentos novos, com possibilidades reescritas pelos nossos passos, a leitura, os livros, os jovens, a literatura e o gosto pela expressão diferenciada de emoções e valores há quem primeiro visse esta luz. Esta possibilidade de com a escola construir espaços novos de conhecimento e aprendizagem, sem os fantasmas do passado, mas com a humildade apenas de querer saber mais.

Prémio europeu das bibliotecas escolares há alguns anos, ela foi uma das pessoas que cedo compreendeu o alcance das bibliotecas escolares numa organização como a escola. Nesta evocação de quem também ama as bibliotecas escolares, um sorriso sobre uma pessoa que tanto nos tem ensinado numa energia contagiante. A sua sabedoria e experiência tem sido um fator de progresso e de construção das bibliotecas escolares. Lembrar o papel das bibliotecas é também o daqueles que a têm construído em doses de grande partilha e afeto.

(1) (http://www.omirante.pt/noticia (2010)

quarta-feira, 20 de março de 2013

Open Library

A web 2.o como ferramenta e estratégia de comunicação dá-nos acesso a plataformas digitais, onde cada um pode exprimir as suas ideias, partilhar os seus conhecimentos sobre as temáticas mais diversas e que interessam a outros. No universo das bibliotecas, das escolas e da construção do conhecimento, o acesso a dados de informação é uma das possibilidades mais interessantes para construir comunidades virtuais de aprendizagem.

A open library é mais um exemplo do muito que podemos explorar e que podemos partilhar no universo da leitura. Participar na construção de uma Biblioteca em open acess, de uma forma em que os dados, o software e a documentação estão disponíveis à partilha é muito interessante. A ideia base da open libary é no "sentido" de uma wiki, a cada livro darmos uma página de internet, para o apresentarmos, comentarmos, dar-mos a conhecer, enriquecer com múltiplas edições, permitindo o enriquecimento múltiplo de diferentes utilizadores.

Projecto integrado no Internet Archive, foi fundada pela California State Library, disponibiliza recursos associados ao flickr sobre leitura e leitores, em múltiplos contextos e pode ser uma oportunidade para estabelecer-mos uma biblioteca pública do que gostamos ler.  Permite, pois a construção de uma base de dados sobre esse objecto maior da criação humana e que como Borges disse " é o único objecto que sendo uma extensão do nosso corpo" alimenta a imaginação como nenhum outro. Aceder aqui.

As leis de Ranganhatan

Shiyali Ranganathan em 1931, no seu livro The Five Laws of Library Science,  apontou cinco leis que serviram para estabelecer princípios da biblioteconomia e que serviram para orientar o papel das bibliotecas durante décadas. As cinco leis apresentavam-se com os seguintes princípios.

1ª Lei - Os Livros são para serem usados. (O papel dos livros e a sua função numa sociedade desenvolvida é de ser um meio para criar conhecimento e fazê-lo parte do crescimento individual dos indivíduos.)

2º Lei - Todo o livro tem o seu leitor. (Para se encontrar o leitor de um livro é necessário fazer a divulgação do livro, o que hoje diríamos difusão da informação.)

3ª Lei - Todo o leitor tem o seu livro. (Encontrar um livro que interesse a um leitor é uma preocupação ainda hoje das bibliotecas. Conhecer os seus utilizadores e reformular a colecção).

4ª Lei - Poupe o tempo do leitor. (Dar ao leitor um acesso fácil, interessante e agradável dos documentos é uma preocupação que ainda hoje as Bibliotecas sentem. O livre acesso e a simplificação dos processos é uma orientação que ainda hoje procuramos.)

5ª Lei -  Uma Biblioteca é um organismo em crescimento. (Que utilização damos às Bibliotecas, como gerimos quantidades cada vez maiores de informação. Que uso e apoio nos dá o digital nesta construção).

Imagem, (Via (Australian School Library Association)

terça-feira, 19 de março de 2013

Fazer leitores


O que é uma Biblioteca Escolar?

É, como sempre foi, um lugar de procura de saber. Mas hoje o que se procura, o que se encontra, o modo como se opera para encontrar, as tecnologias que usamos, não são apenas a tecnologia do livro – temos recursos em suporte papel e em suporte digital. E as bibliotecas escolares são também os professores bibliotecários. São eles os orientadores, quem transmite aos miúdos uma consciência dos méritos e das vantagens acrescidas, mas não escondendo os seus perigos – no sentido da ilusão de que tudo o que está na internet é verdadeiro. A era da web não pode viver só da destreza, tem de viver de competências que não são inatas. Nenhum leitor nasce leitor. E isso é válido tanto para a tecnologia do livro como para o ambiente digital. Os leitores fazem-se com trabalho, com produção, com prática continuada.

Segundo o último estudo do PNL, o interesse dos jovens pela leitura aumentou e 52, 4 % consideram-na agora muito importante. As bibliotecas escolares tiveram um papel nessa mudança de atitude?
Quero crer que sim. O estudo demonstra que há um trabalho de retaguarda da Rede de Bibliotecas Escolares, que há mais miúdos a frequentá-las, uma melhor qualificação e que a oferta se vem adequando aos tempos. Costumo dizer que as bibliotecas escolares são a infraestrutura, e o PNL, uma espécie de supra-estrutura, que trouxe uma narrativa construída para divulgar a leitura como um bem, valorizá-la socialmente, torná-la uma imagem de marca. Os miúdos habituam-se a que “LER+” não é uma coisa “cota”, os pais associam “LeR+” a uma marca de qualidade, e isso trouxe, objectivamente, como verifica este estudo, uma valorização da leitura.

O que é ler com competência?
Primeiro, é ganhar o código de leitura. Tal como andar de bicicleta ou nadar, o que exige tempo e persistência. Depois, é necessário ter mecanismos para perceber o que os miúdos, mesmo lendo com destreza, não entendem porque ler é interpretar. Muitos meninos acabam o 4º ano sem essa competência bem cimentada. Estão condenados a serem maus leitores, logo maus alunos, em muitos casos reproduzindo a exclusão que transportavam à entrada da escola. Os estudos do PISA demonstram que em Potugal a escola é inclusiva, e a biblioteca ajuda também nesse trabalho. Tendo em conta que quando entra na escola um menino de uma família mais letrada está logo condenado a ler melhor porque tem o triplo do vocabulário de outra criança de famílias menos letradas, percebe-se a importância do trabalho da escola e da biblioteca.

Em época de crise, o papel das bibliotecas é ainda mais importante?
Acho que sim. Falamos sempre das bibliotecas como locais de inclusão, quer pelos recursos que têm quer pelo facto de quem as governa desempenhar um trabalho que muitas vezes as famílias não fazem porque não sabem ou porque não podem. Quanto mais vivemos no mundo da informação (e hoje a atravessar momentos de menor abundância), mais as bibliotecas, como lugar de abundância, devem ser usadas em rede. Tenho consciência de que, no caso das bibliotecas escolares, o que verdadeiramente faz a diferença é ter lá pessoas que governam as bibliotecas. Se assim não for, são subaproveitadas. 

In Visão, 20 de Outubro de 2011
(via http://blogue.rbe.min-edu.pt)

Exprimir a Criatividade


A Rede de Bibliotecas Escolares e a Pordata voltaram neste ano letivo a lançar um concurso para os alunos das escolas secundárias. Pretende-se que os alunos utilizem a extensa e muito interessante base de dados da sociedade contemporânea portuguesa e/ou Europeia e com ela apresentem projetos/trabalhos de âmbito curricular.

É uma iniciativa muito interessante a dinamizar nas ecolas, pois aprofunda o conhecimento da evolução da sociedade contemporânea, assim como a leitura de metadados e ainda a construção de conhecimento, base das literacias de informação.

Abaixo os documentos a consultar para um conhecimento detalhado da iniciativa.

Casa das Ciências

A Casa das Ciências é um projecto / programa da Fundação Calouste Gulbenkian de apoio aos professores das áreas das Ciências dos ensinos básico e secundário. Trata-se de um portal muito interessante com recursos diversos organizados por diferentes critérios de pesquisa.

É possível escolher entre os diferentes ciclos/anos, ou optar por critérios temáticos relativos a diferentes diciplinas, ou ainda tentar encontrar recursos por tipo: documentos, hipertexto, apresentações ou aplicações. Há dois anos que este recurso está disponível para consulta e pode ser melhorado com as contribuições de docentes, tendo sempre a avaliação científica que suporta o projecto.

A Casa das Ciências , cujo projecto tem dois anos acrescenta agora um recurso adicional aberto a todos os que se interessam pelas áreas científicas da Biologia, Geologia, Física, Química ou Matemática com uma Wiki, designada Wikiciências e que procura ser um espaço de partilha e consolidação de conhecimentos para professores e alunos, ou simplesmente interessados nesta temática.

As TIC na educação

A Unesco lançou um novo site sobre o uso das TIC na educação, com a participação de diferentes instituições na ideia base de partilha de recursos para a construção de uma comunidade humana mais bem preparada pelo conhecimento para enfrentar as dificuldades do mundo actual, neste novo século.

Assente em princípios como "a equidade, o acesso universal, aprendizagem e educação de qualidade, formação de professores e gestão da educação", esta iniciativa da UNESCO pretende formular ideias, estratégias e projectos na educação, complilando kits pedagógicos e recursos vários para a promoção da aprendizagem como valor de cidadania.

Integra as redes sociais do Facebook e Twitter, de modo a dar mais visibilidade ao projecto que se pretende de valorização do conhecimento e da oportunidade a novos públicos e continentes nessa aventura sempre estimulante de aprender, conhecer e participar.

Ideias simples


A simplicidade é um valor que não se cultiva neste País. De cada vez que um novo governo se propõe governar um país gostamos de marcar os dias com ideias não só originais, mas de grande alcance, entre a espuma dos dias e o futuro que se julga ser sempre grandioso pela simples acção de quem governa.

Qualquer um se julga capaz dos maiores feitos capaz de interferir no arco-íris, nos ritmos solares dos dias e nas ideias revolucionárias com que sempre se deve reescrever a educação. Pensam por toda a sociedade, esclarecem tos os passos que qualquer um deve dar e são proteccionistas das nossas infinitas incapacidades. É o governo educativo da Nação.

Nesta conquista todos se lançam das ideias retiradas à pressa das cartilhas à disposição de quem não gosta de pensar, de reflectir sobre a sociedade, a sua formação e participação. Neste esclarecimento dividem-se as pessoas, os incapazes, os que nada sabem, os que não compreendem a bondade do génio governativo em educação e os outros. Pagamos no momento um alto preço por esta falta de construção da cidadania.

E no entanto, o que sempre nos faltou é a simplicidade. O Projecto que deixamos em baixo revela-nos que uma comunidade educativa pode autonomamente congregar ideias, convicções, projectos de construção do conhecimento que é o suporte para ter imaginação para resolver as dificuldades dos dias.

São as instituições intermédias que dão consistência à Democracia, peso para a participação activa das pessoas. Um exemplo do que também por aqui deveria nascer, se o Ministério da Educação percebesse o que é a construção da cidadania e se limitasse a regular o sistema, sem querer ser o dono do pensamento e o executante simplório do tamanho das linhas que se podem escrever.


(Informação, via Lerdoler.blogspot.com)